sexta-feira, outubro 28, 2005

Diana, a blogger

Um dia, fiz-me blogger.
Houve sempre espaços vazios dentro de mim.
Onde sempre me encontrei vazia.
(cá estou eu, encontrei-me!)
Onde sempre larguei as pessoas de quem gosto desamparadas.
Espaços que mantenho assim.
("não sujes mais o quarto")
Um lugar em que me confundo, em que vos confundo, onde não sei mexer.
De onde saio sempre com o mesmo peso.
Houve sempre um lugar para as palavras.
(um alvo com a minha cara)
Como se fosse a única forma de não ser vista.
(e eles veêm através de mim)
Se as pedras podem traçar um caminho, tapam o vazio.
Invisível para quem não anda à procura dele.
"Só não vás para muito longe de casa, sim...?"