quarta-feira, janeiro 18, 2006

O Casamento

Para que a sanidade não seja quebrada no meio da obrigação de trabalhar, muitos temas são abordados no contexto de trabalho, se não for com "as vozes da nossa cabeça" (Adriana, 2006), com os colegas de serviço. Hoje, entre todas as conversas que vieram à baila, falou-se de casamento - essa grande maluca do mundo das instituições. Bem, o que há a salientar deste assunto, foi que, enquanto os meus colegas (um casado, outro não) trocavam o que me pareciam ser impressões pseudo-românticas sobre o tema, a minha cabeça concentrava toda a minha atenção para a seguinte pergunta:
Mas, agora a sério, porque é que as pessoas ainda se casam?
Enquanto algo cá dentro gritava: "Pergunta-lhes, qual é o problema?!", a minha consciência (acho eu que era esta a falar) repreendia-me esse impulso, com a justificação de que não seria correcto comer a cabeça a pessoas com as quais ainda não tenho contacto o suficiente para aceitarem as minhas apreciações "especiais" sobre o mundo, sem me estranharem como pessoa dita normal. Acontece que, em conversa comigo própria, decidi ficar-me pelo silêncio e pelos sorrisos cúmplices com a conversa que estava a decorrer. Se me passou pela cabeça que mais valia eles ficarem já a saber quem eu sou (para terem a oportunidade de escolher evitar afeiçoarem-se a mim antes de conhecerem os meus podres), por outro lado pensei nas consequências. Mostrar-me agora dar-me-á trabalho demais, obrigar-me-á a dar mais de mim do que eu estou, para já, disposta a dar. O que eu diria a seguir desvendar-me-ia.
Se querem saber, acho que teria mais lógica as pessoas casarem-se no final da vida, nos casos em que realmente tivesse feito sentido para as duas pessoas o tempo vivido juntas. Como se fosse uma cerimónia póstuma... Um prémio pela sorte, pelo sacrifício, pela paciência, pelo amor ou por aquilo-que-qualquer-outra-palavra-possa-significar-que-tenha-contribuído-para-que-esse-tempo-em-comum-tenha-sido-tão-feliz. Ou seja, o contrário do que a maioria dos casamentos de hoje em dia merece.

2 comments:

Blogger Adriana said...

Eu acho que os casamentos deviam ser compromissos única e exclusivamente falados para pouparem a papelada no casamento e no divórcio (separação ou blá blá blá)...

18 janeiro, 2006 22:15  
Blogger Diana said...

Acordos de "palavra-de-honra"... não seria pior do que já é.

18 janeiro, 2006 22:20  

Enviar um comentário

<< Home