quinta-feira, novembro 17, 2005

O síndrome Mitch Buchanan

Prefácio de Adriana, perita em lavagens ao cérebro:
Intrigada com o tipo personalístico de homem presente numa série televisiva de sucesso corporal, Diana Magalhães investe o seu tempo numa análise profunda sobre o jeito que dá ter à mão de semear alguém a quem se possa recorrer com qualquer problema, quer seja um cano roto na cozinha, um incêndio, sede a meio da noite ou mesmo a piriclitante tarefa de extracção de pilosidades.
Não interessa se estamos no meio de uma tempestade, encurralados num avião submerso e prestes a ficar sem oxigénio, se estamos presos nas rochas, se estamos a cair de uma altitude incalculável sem pára-quedas. Independentemente do carácter problemático da situação, se houver um Mitch Buchanan por perto, o assunto está resolvido.
Ele vai solucionar tudo sem fazer a lixarada de um MacGyver, sem frases-tipo ridículas como as do Sherlock Holmes, sem o bigodinho irritante do Poirot, sem precisar de um Rex ou um Max, sem disfarces, sem nada. Um verdadeiro Mitch Buchanan salva o mundo, a qualquer hora, de qualquer ameaça, de tronco nu e com um sorriso Pepsodent. É impressionante. Não interessa que sejam 20 para lhe darem porrada, não interessa que ele tenha acabado de almoçar e tenha de salvar alguém de morrer afogado, não interessa que haja mais homens à volta... ele é que tem de salvar a donzela. Tal como um bombeiro para um incêndio, existe um Mitch Buchanan para cada impossibilidade.
Operacionalizando isto para a minha vida e para a das minhas congéneres, verifica-se que todas nós temos de lidar, diariamente, com estes homens-tipo. Eles estão mais perto do que pensamos. Normalmente, são sociáveis, sabem tudo, já ouviram falar de tudo, toda a gente gosta deles, conhecem todas as músicas, já foram a todos os sítios, interessam-se por tudo, entram em todas as discussões, já lhes aconteceu de tudo, e, principalmente, sabem como resolver tudo. Pelo menos, eles acreditam nisso.
É complicado lidar com alguém assim. Eles têm sempre razão e, quando tentamos explicar as nossas razões, eles olham para nós com aquele ar de "Coitada, é tão novinha, ainda não viveu nada... não sabe o que diz!" e pensam, logo de seguida, "Ai se eu não estivesse na vida dela". Se não os fizermos sentir que são os nossos heróis, acham que não os merecemos e que não lhes soubemos dar valor. E porquê? Porque eles são os Mitch Buchanan da realidade.
Às vezes, dá para sentir saudades dos que se estão bem a cagar...*
Isto não é um post sexista.
Eu própria adoraria ter o meu próprio Mitch Buchanan sempre à mão.
* Ironia, claramente. É que, por vezes, as latas não querem mesmo abrir.

13 comments:

Blogger Adriana said...

olha q o síndrome também se passa no sexo oposto, o da "mitcha", a gaja que sabe tudo com a particularidade de só mandar as papaias e não mexer o traseirinho pra nada...

na maioria das vezes o ar já saiu todo da lata e qd o "mitch" faz a sua força é tudo mais fácil ;)

17 novembro, 2005 17:24  
Blogger Diana said...

Se não fosse essa do "traseirinho", eu ia pensar que era uma indirecta para mim... :P

17 novembro, 2005 17:28  
Blogger A said...

isso do ar sair todo da lata, só torna a tarefa mais difícil... não desvalorizem os mitchs que por ai andam, é aquele pessoal que faz tudo para parecer o melhor e isso pode ser muito vantajoso, para quem se quiser aproveitar >:)

17 novembro, 2005 17:29  
Blogger Diana said...

A primeira frase foi mesmo à Mitch Buchanan... Típico...

17 novembro, 2005 17:32  
Blogger A said...

será que andei toda a minha vida enganado, a pensar que era um gajo normal da aldeia?

17 novembro, 2005 17:34  
Blogger Diana said...

Não. Um verdadeiro Mitch Buchanan não tem dúvidas.

17 novembro, 2005 17:35  
Blogger Capitao America said...

Toda a gente fala mal da série mas que é uma série de culto, isso é. Dizem que era só mamas a abanar mas, eu acho que não é bem assim. Só isso. No meio de tanta beleza junta, o Mitch mostrava que o homem normal também pode ser o herói. Não é o melhor actor do mundo mas criou uma luz à volta dele, entrou em duas séries de culto e nunca se vão esquecer dele, deixou marca no mundo. Podemos nós dizer o mesmo? Eu não deixo, certamente.

17 novembro, 2005 18:08  
Blogger Diana said...

Uhhuhuhu... o primeiro fã do Mitch Buchanan ofendido...

17 novembro, 2005 18:14  
Blogger A said...

ele também deixou isto:
carreguem aqui

...perturbador

17 novembro, 2005 19:38  
Blogger Capitao America said...

Eu é que sou o fã mas outros andam à procura de fotos dele. Mas mais intrigante do que ser fã das Marés Vivas, peço desculpa de gostar de mamas, é vir a este blog poderoso.

18 novembro, 2005 09:51  
Blogger Diana said...

Alguém acordou mal disposto...

18 novembro, 2005 14:52  
Blogger Capitao America said...

Podes crer...

18 novembro, 2005 15:16  
Blogger A said...

eu sou apenas uma pessoa atenta

18 novembro, 2005 19:37  

Enviar um comentário

<< Home