sábado, janeiro 07, 2006

O Primeiro Violino

Gosto quando sou ligeiro-suficientemente obrigada a ir a um sítio qualquer e depois acabo por aproveitar muito mais o momento do que poderia esperar. Isto é a melhor abordagem que alguma vez poderei fazer de uma surpresa.
Fui a um Concerto de Ano Novo e Reis* pela primeira vez. Muito bom. Se, de início, a agradabilidade do programa passa pela novidade dos sons que se ouvem - por, claramente, não estar habituada a sons daquela qualidade -, a partir de certa altura, começamos a saborear os instrumentos e a escolher o que queremos ouvir dentro da nossa cabeça. À parte o conteúdo quasi-esquizofrénico do que acabei de dizer, tenho a noção de que, aos poucos, me começo a perder no meio de toda aquela música. É como se se soltassem todas as emoções, qual bexiga sem esfíncter**... estas se misturassem, se confundissem, e como se, muito além daquelas músicas que nos fazem reflectir sobre a nossa vida (e de que nós até tanto podemos gostar), estes sons nos entrassem especial e violentamente na cabeça e não nos deixassem pensar em nada.
Aquele trecho d'A Lista de Schindler... aquele primeiro violino... a voz dele quase sem respiração... meu Deus. É outra música.
* Orquestra Filarmonia das Beiras, direcção de António Vassalo Lourenço - Teatro Viriato, Viseu.
** tenho noção de que, muito provavelmente, estraguei o texto com esta analogia.

1 comments:

Blogger Capitao America said...

Já ouvi 3 vezes. Muito bom, sem dúvida.

09 janeiro, 2006 09:52  

Enviar um comentário

<< Home